ABRABULL Bulldog Inglês
Faça parte desta associação!

Entrópio e Ectrópio

Data: 22/11/2012

Entrópio e Ectrópio - Inversão da margem palpebral para dentro do olho
Nos filhotes caninos podem passar despercebidos principalmente em raças cheias de rugas


Entrópio é a inversão da margem palpebral para dentro do olho permitindo que os cílios e o pêlo das pálpebras entre em contato com a córnea e a conjuntiva. O entrópio pode ser unilateral ou bilateral. No entrópio bilateral é importante verificar-se se não há condição oftálmica que o faça ficar continuamente apertando a fissura palpebral como mecanismo de defesa , pois caso isso ocorra é possível haver a instalação de um entrópio secundário a outra desordem oftálmica que não se resolverá ao executarmos a correção cirúrgica do mesmo. 

É sugerido ser doença de transmissão hereditária , e afeta mais freqüentemente algumas raças especificamente. No meu serviço o campeão absoluto é o Shar-Pei , seguido de perto pelo Setter , Cocker , Pug , Chow-Chow , Rottweiller e o São Bernardo que as vezes possui ectrópio concomitante. O entrópio espástico já mencionado pode ser causado pôr espasmos no músculo orbicular , pôr alguma condição continuamente irritante do olho . Após algumas semanas esse entrópio pode se tornar condição irreversível e deve então ser tratado cirurgicamente como se fosse uma condição primária.

O entrópio pode causar severo dano corneal chegando até mesmo à condiçào de ruptura . O indivíduo afetado apresenta profundo e as vezes imensurável desconforto . Nos filhotes caninos podem passar despercebidos principalmente em raças cheias de rugas pois o temperamento afável e infantil do filhote mascara por vezes uma severa condição oftálmica . Numerosos procedimentos cirúrgicos já foram desenvolvidos . Alguns beiram o absurdo com cirurgiões alterando drásticamente as características faciais de seus pacientes com objetivo de corrigir o enrolamento das pálpebras. 

Acredito que só se deve operar indivíduos que tenham completado seu ciclo de crescimento afim de não se executarem subcorreções. Em indivíduos jovens com lesões corneais importantes podemos usar suturas temporárias afim de minimizar o problema até podermos intervir para sanar o entrópio. Acho que todo cirurgiào veterinário que se arvora em operar entrópio deve assistir a especialistas oftálmólogos para aprenderem e não terem que reoperar seus pacientes, pois creio que existe uma tendencia do cirurgião generalista em executar subcorreções.

Ectrópio é o enrolamento das pálpebras para fora ocasionando exposição da conjuntiva palpebral ao meio ambiente . Essa exposição pode acarretar acúmulo de sujidades que podem resultar em descargas oculares de variada intensidade . O ectrópio pode também acarretar um déficit na importante função palpebral de bombear(pump) as lágrimas para o canto medial do olho onde será removido do olho através da rede de drenagem nasolacrimal. 

É bem menos agressivo que o entrópio mas acarreta desfiguração facial e as vezes epífora de razoável intensidade que é desagradável principalmente esteticamente. A correção do ectrópio é de menor complexidade de que do entrópio . Quando as duas condições coexistirem deve-se optar pela técnica cirúrgica de Cantoplastia lateral com a criação cirúrgica de um ligamento lateral cantal.

Confira outras notícias

CBKC FCI CBRB
Premier
Site produzido pela Netface